BRASIL, Sul, CANELINHA, Centro, Homem, de 20 a 25 anos, Portuguese, Bebidas e vinhos, Dinheiro
MSN -


01/10/2007 a 31/10/2007
01/04/2007 a 30/04/2007
01/07/2006 a 31/07/2006
01/06/2006 a 30/06/2006
01/03/2006 a 31/03/2006
01/02/2006 a 28/02/2006
01/10/2004 a 31/10/2004
01/06/2004 a 30/06/2004
01/05/2004 a 31/05/2004
01/04/2004 a 30/04/2004
01/03/2004 a 31/03/2004
01/02/2004 a 29/02/2004


Avaliação dos Internautas


 Sobre Nirvana
 Sobre Steve Vai
 110v - Is the Punk Rock!
 SITE OFICIAL - JACK






Acima Patricia Cornwell afirma que o suposto auto-retrato de Jack - O Estripador foi feito pelo pintor impressionista alemão, Walter Sickert, e seria o fim do mistério de 114 anos




*Mary Ann Nichols, 1ª Vitima, morta em 31 de agosto de 1888 *


*Annie Chapman, morta em 08 de setembro de 1888. *



*Elizabeth Stride, morta em 30 de setembro de 1888. *



*Catherine Eddowes, morta em 30 de setembro de 1888. *



*Mary Jane Kelly, a "última" vítima, morta em 09 de novembro de 1888.*


*Todas elas se encontram enterradas em Londres.*

SOBRE JACK - O ESTRIPADOR


Atualizado, até que enfim!!!

A nova carta de Jack - O estripador.
 
Circulam muitas lendas e especulações sobre o assassino em série que ficou para a história da criminalística como Jack - O estripador. No século 19, Jack causou uma forte tensão social em Londres, na Inglaterra, ao produzir uma seqüência de assassinatos com mutilações. Na histérica atmosfera de 1888, centenas de cartas atribuídas ao criminoso foram enviadas para a polícia e para a imprensa, mas a maioria delas era fraudulenta.
 
Em abril de 2004, a Secretaria de Registros Públicos de Londres apresentou ao mundo a chamada Carta Openshaw, um manuscrito supostamente autêntico, feito pelas mãos do próprio estripador. Conquanto não seja possível provar com absoluta certeza a autenticidade do documento, as autoridades afirmam que vários elementos indicam que pode ser legítima. Stewart Evans, autor de um novo livro sobre o criminoso, acredita que a carta pode ser a única genuína entre as outras 220 que estudou.
 
Fato é que a carta, muito mal redigida e com um texto arrogante, foi enviada em outubro de 1888 a Thomas Horrocks Openshaw, curador do museu patológico do Hospital de Londres. Foi o mesmo Dr. Openshaw que examinou um rim que lhe foi mandado pelos correios e comprovou pertencer a prostituta Catherine Eddowes, assassinada por Jack.
 
Manchas e irregularidades nas letras levaram grafoscopistas a sugerir que o autor era um alcoólatra ou viciado em drogas.
 
A carta esteve guardada pela Polícia Metropolitana, que por sua vez a recebeu de Donald Rumbelow, autor do livro The Complete Jack the Ripper, editado 25 anos atrás.


 Escrito por Thiago Leal às 10h57
[ ]